Arquivos de Tag: povos originários

Putanny: O canto da transformação Yawanawá

Salve, glorioses. Hoje, trago a mágica experiência vivida por Putanny Yawanawa, mulher-pajé do povo conhecido como os queixadas - espécie de porco selvagem, conhecido por viverem em bandos numerosos. Já que é na coletividade que reconhecem sua força. Pois estava Putanny, vivendo na cidade há bastante tempo, longe da Terra Indígena Rio Gregório,  há 3 dias de canoa e quatro de caminhada na mata. O chamado da floresta veio durante o sono quando, num...

Casa de Frutas de Santa Isabel do Rio Negro

Salve, Glorioses. Semana passada tive notícia de uma iniciativa, que nos fez apressar o passo e compartilhar com vocês: o projeto Casa de Frutas, premiado recentemente no II Prêmio BNDES Boas Práticas Agrícolas para Sistemas Tradicionais. Hortaliças e frutas cultivadas por indígenas, com técnicas tradicionais de manejo, chegando nos mercados e merendas escolares? Essa idéia já é uma realidade em Santa Isabel do Rio Negro (Amazonas) com o projeto Casa de Frutas, premiado recentemente no II...

Djuena Tikuna

Salve glorioses. Ao longo desse ano dedicado aos povos originários aqui na Quarta Gloriosa, assunto não tem faltado. Com surpresa e satisfação, temos assistido uma espécie de renascença à brasileira, com a explosão de manifestações artísticas e culturais, trazendo a luta pela preservação de sua cultura e pelo reconhecimento de seus direitos, enquanto povos originários, sob variadas formas. Aqui, já falamos sobre fotografia, audiovisual, rádio, rap, e hoje trago o nome de Djuena...

Edgar Kanaykõ Xakriabá e a etnofotografia

Faz algum tempo que sigo Edgar Kanaykõ, da etnia Xakriabá, no Instagram. O fotógrafo, que nasceu e vive na Terra Indígena Xakriabá, município de São João das Missões, em Minas Gerais,  teve o primeiro contato com as câmeras no começo dos anos 2000, quando chegou também na aldeia a rede elétrica e outras tecnologias. Na juventude ele já se interessava pelas imagens como forma de simples registro mas nem sempre a fotografia foi bem vinda entre o seu povo. Por muito tempo as câmeras ficaram...

Yandê – Primeira web rádio indígena do Brasil

Salve, glorioses! Não existe mais espaço para o pensamento de que os indígenas estão apenas nas florestas e longe da tecnologia. Ao contrário, cada vez mais os povos originários estão comandando projetos do audiovisual e tomando as rédeas de suas próprias narrativas.  Assim foi com Anapakua Muniz, da etnia Tupinamba, nascido em São Paulo, migrou para a Bahia.  DJ e locutor, já acumulava extensa experiência em comunicação comunitária, quando ...

Eliton Paacy Gavião – Olhar indígena através da fotografia

Salve, glorioses. Visualize um jovem indígena se preparando para participar de uma corrida de tora, tendo um enorme exemplar sobre o ombro direito. Sua figura, captada em contra-plongé, contrastando o tom avermelhado de sua pele com um perfeito céu azul-anil tem na luz estourada do sol a coroa do atleta, transformando-o em um deus Apolo dos trópicos; essa imagem tão forte e mesmo mitológica, com incrível qualidade fotográfica, deu ao jovem Eliton Paacy...

Kunumi MC – Rap e ancestralidade de mãos dadas

Salve Glorioses. Hoje eu vou falar sobre Werá Jeguaka Mirim, o jovem escritor que também é  rapper, conhecido como Kunumi MC, que gravou com o cantor Criolo. Aos 13 anos, participando da abertura dos jogos entre Brasil e Croácia, na Copa do Mundo de 2014, exibiu uma faixa que havia levado escondido sob seu calção, com os dizeres "Demarcação Já". Sua imagem rodou o mundo, transformando-o em garoto-propaganda da causa. Kunumi percebeu que poderia usar sua voz para lutar pela preservação da cultura de seu povo pois haviam...

MAHKU – Movimento de Artistas Huni Kuin

Salve, Glorioses. Hoje eu quero levar vocês a uma viagem pelo alto do rio Jordão, AM, para conhecer Ibã Huni Kuin, hoje liderança dos auto-denominados Huni Kuin (povo verdadeiro, na língua Kaxinawá). Tudo começou quando, aos 19 anos, ele saiu de sua aldeia remota para aprender a ler e escrever na cidade. Tendo se formado professor, com mestrado pela Universidade Federal do Acre, retornou à Aldeia Xiku Kurumim decidido a registrar os conhecimentos quase perdidos de sua comunidade. Ibã começou por alfabetizar o seu povo ao...

Eliane Potiguara, a voz do choro de sua avó

Salve, Glorioses. O texto de hoje é um convite à uma viagem pelo universo de Eliane Potiguara, mulher indígena, professora, poetisa e escritora. A menina nascida em 1950, num assentamento indígena no centro do Rio de Janeiro, ouvia da avó, Maria de Lourdes, as histórias de seu povo. Eram potiguaras do norte da Paraíba, de onde ela havia fugido, aos 12 anos, grávida. Seu pai, Chico Solón,  tinha sido assassinado por fazendeiros ingleses e ela precisava sobreviver, contava a avó, aos prantos. Conhecedora das...

Hushahu Yawanawa

Salve, glorioses! Celebrando o mês dedicado às mães, esse interessante grupo de mulheres que se identificam na superação de obstáculos, trago hoje uma história inspiradora que fala de uma jovem mãe yawanawa, Hushahu Yawanawa, nascida na aldeia Mutum, Terra Indígena do Rio Gregório, no Acre.  Jovem mesmo: seguindo as leis de sua tribo, casou-se aos oito anos de idade, passando por duas gestações seguidas - aos...

Rio Negro, Nós Cuidamos

Com quase 2 mil quilômetros de extensão, o Rio Negro é o maior afluente de águas pretas do mundo, resultado do solo antigo e dos sedimentos orgânicos recebidos pela floresta. Sua bacia é também uma área internacionalmente protegida desde o 8o Fórum Mundial da Água, em 2018, e acolhe 23 povos indígenas, mais de 700 aldeias, 16 línguas faladas e quatro troncos linguísticos: Tukano Oriental, Aruak, Nadahup e Yanomami. Quem protege a sociobiodiversidade de toda essa região e povos é a Foirn, Federação das...

Mães da Floresta

Salve, glorioses. Seguindo a proposta de trazer luz sobre a vivência e as práticas dos povos originários aqui na Bemglô, no "Mês das Mães", é hora de conhecer como é a maternidade indígena. Se por um lado temos o pensamento popular de que "mãe é tudo igual", a realidade sempre se impõe, guardando importantes diferenças também nessa prática. No Brasil vivem mais de 300 povos, e esse é o tamanho da sua diversidade! Um ponto em comum é o contato com a natureza. Diferente da...

Joênia Wapichana, primeira mulher indígena no Congresso

Salve, glorioses. No último domingo tivemos o Dia do Índio, quando celebramos a cultura e lembramos das lutas indígenas; e hoje é o Dia da Terra, que também nos alerta para a preservação. A história que compartilho é de uma mulher que muito tem a ver com ambas as datas. Joênia Wapichana é a primeira mulher indígena a ocupar um assento no Congresso Nacional em Brasília, a primeira a se formar em Direito e também a primeira a exercer a profissão de advogada. Sua trajetória...

Davi Kopenawa, uma voz Yanomami

Salve, Glorioses. Na cultura yanomami, as crianças são batizadas pelos tios,avós e parentes,  quando já estão um pouco mais crescidas, de acordo com as características que as definam. Porém, com Davi Kopenawa - xamã e a principal liderança yanomami, aconteceu diferente pois, antes desse rito, sua aldeia foi invadida por missionários que deram a ele o nome bíblico Davi. Não se sabe ao certo se sabe ao certo a motivação dessa escolha, mas, conhecendo um pouco de sua história, pode-se deduzir que tenham percebido...

Alessandra Korap Munduruku

Alessandra Munduruku, 35 anos, é uma líder indígena da aldeia Praia do Índio, e hoje cursa Direito na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). Sua maior inspiração é o mito de Wakoburun, a primeira guerreira munduruku, que teve seu irmão morto em batalha. Para resgatar a cabeça de seu irmão, ela invadiu a aldeia inimiga e matou os guerreiros que a detinham. Assim como a lendária guerreira, Alessandra é uma das mulheres em destaque na luta indígena. Ela é uma das 14 mil pessoas da etnia munduruku que vivem às...

Marcha das Mulheres Indígenas

Em agosto passado, cerca de 2.500 mulheres marcharam em Brasilia. Eram mulheres indígenas, representantes de 130 povos originários, que se reuniam no 1o Fórum e na 1a Marcha das Mulheres Indígenas. O encontro durou cinco dias, entre 9 e 14 de agosto, e teve como resultado final um documento e uma caminhada de quatro quilômetros, desde o acampamento na Fundação Nacional de Artes (Funarte) até o Congresso Nacional, onde cerca de 100 dessas mulheres entraram para participarem de plenárias. O...

Instituto Catitu – Aldeia em Cena

Muito do que sabemos das comunidades e culturas dos povos originários é resultado de muito estudo e pesquisa, mas também da mídia, seja através de reportagens, filmes e produtos culturais em geral. Neste cenário, o Instituto Catitu nasce em 2009 com uma missão: permitir a essas comunidades e potencializar "novas possibilidades de expressão, transmissão e compartilhamento de suas visões de mundo e de seus conhecimentos".  Com o apoio da Embaixada da Noruega, já foram produzidos cerca de 30 filmes nos 10 anos de...

Sonia Guajajara

Quem não lembra dessa imagem: uma mulher indígena divide o palco com  a cantora norte-americana Alicia keys, no festival Rock in Rio, em 2017? Diante de uma plateia de cerca de 100 mil pessoas, uma pequena mulher denunciava o desmatamento na Amazônia. "Que vergonha para nós, seus filhos e filhas, que usurpamos as suas riquezas e envenenamos a sua água", diz a canção que serviu de fundo-musical para a fala de...

Notímia – Mulheres indígenas na América Latina

Poder falar sobre a própria realidade é uma liberdade fundamental para os povos originários do Brasil e de toda a América, não só para manter vivo seus costumes e tradições como para visibilizar suas demandas. Há diversas organizações não governamentais que atuam na salvaguarda dos direitos indígenas, mas um grupo de mulheres decidiu ir além e criar uma agência de notícias dedicada exclusivamente para as pautas de mulheres indígenas e afrodescendentes em toda a América Latina, a ...

Beka Munduruku, uma voz adolescente da Amazônia

Salve, Glorioses! Como sabemos, o futuro pertence aos jovens. Graças a essa energia, temos a menina Greta Thunberg como exemplo de uma juventude cada vez mais aliada às causas sociais e ambientais. No Brasil, uma jovem indígena segue os mesmos passos e faz ouvir a voz da floresta e as necessidades de seu povo.  Beka Munduruku tem 16 anos e vive na aldeia Sawré Muybu, uma das doze comunidades ameaçadas de alagamento pela construção da hidrelétrica São...
Selecione sua moeda
EUREuro
Abrir Chat
Precisa de ajuda?
Olá, como podemos te ajudar?