Compostagem caseira: um ato de amor
Atitude Bemglô

Compostagem caseira: um ato de amor

Compostagem caseira: um ato de amor

Hoje, dia 05 de Junho, é uma importante data para o meio ambiente e aqueles que lutam pela preservação, pois reúne o Dia da Ecologia, Dia Mundial do Meio Ambiente e Dia Nacional da Reciclagem. Aqui em Atitude, portanto, o tema não poderia ser outro: Compostagem Caseira.

Quando falamos em preservação do meio ambiente, às vezes não damos importância aos pequenos atos do dia a dia, quando na verdade eles contribuem muito na grande rede da sustentabilidade. Falamos sempre sobre a importância da reciclagem, e de separar os lixos entre papel, plástico, vidro e metal; introduzimos o tema do upcycling, que é a transformação e o reuso de materiais sem a necessidade do processo de reciclagem; mas em todos esses temas esquecemos do lixo orgânico, que se não bem tratado pode também causar mal ao ambiente.

Quando despejado nos aterros sem qualquer cuidado, o lixo orgânico (sobra de alimentos, cascas e todo material de origem biológica) produz chorume, atrai animais e prolifera doenças, sendo nocivo ao meio ambiente como qualquer tipo de lixo. Por isso, precisamos também saber como, onde e que destino dar a este tipo de descarte. Uma alternativa é a compostagem: a transformação de nosso lixo orgânico em adubo. Lá em março, falamos sobre a Ciclo Orgânico, uma organização de compostagem que retira o material em sua casa e direciona para postos de compostagem. Mas quando nossa cidade não oferece este serviço o que fazer?

A compostagem caseira é simples e ocorre por meio da vermicompostagem. Requer dedicação e um certo cuidado, mas é também um ato de amor. Precisamos saber como consumir, mas também como descartar. Assim nos tornamos alguém, por completo, consciente. O portal Catraca Livre fez um passo a passo explicando a importância do processo de compostagem:

Há algumas marcas que já produzem o equipamento para a compostagem doméstica, mas você pode produzir a sua própria composteira com baldes, potes ou até mesmo garrafa pet . O tamanho da composteira vai depender da sua demanda em casa, mas seja feita por você ou comprada pronta, a lógica da composteira é a mesma: três ou mais andares de recipiente, ligados entre si com furos, e uma torneira no primeiro andar.  Confira abaixo.

Como fazer a compostagem caseira

Foto: ECycle

O funcionamento da composteira é simples: no primeiro andar, o recipiente acumulará o chorume dos alimentos e possui uma torneira por onde você irá retirar este líquido. Este chorume é completamente natural, diferente dos produzidos em aterros, e poderá ser utilizado em plantar diluído em 10 partes de água.

Entre este primeiro e segundo andar, é preciso furos para que o líquido escorra, e o mesmo entre o segundo e o terceiro andar, mais ao alto. Todos os andares acima do primeiro serão utilizados para colocar as sobras e onde ocorre o processo da compostagem. Independente de quantos andares tiver, você sempre começará pelo topo. E somente quanto este encher, você substitui a caixa de cima por alguma vazia que estiver embaixo.

Para começar a preencher, abra a primeira caixa ao topo. Faça uma cama de terra por todo o fundo. Acima dela, coloque as minhocas californianas, mais indicadas para este fim. As minhocas são limpas, não causam qualquer dano ao ambiente, e são as responsáveis por transformar as sobras em adubo. Você pode comprá-las mesmo online. Feito isso, basta começar a depositar o seu lixo orgânico. Não espalhe por toda a caixa, mas vá preenchendo em pequenos montes começando pelos cantos. Evite alimentos cítricos e gordurosos em excesso. Quando depositar as sobras, cubra completamente com serragem, mas que este ambiente fique seco. Sempre que tiver novas sobras, faça um novo monte e cubra com serragem. Até que esta primeira caixa encha por completo.

Quando a primeira caixa se completar, você troca ela de lugar com a que está logo abaixo. A caixa cheia de sobrar fica no meio (acima da caixa que recolhe o liquido) e abaixo de uma nova caixa, vazia para iniciar o mesmo processo: terra, minhoca, sobras, serragem. Enquanto enche esta nova caixa, na caixa abaixo as minhocas estão comendo as sobras e produzindo o humus (adubo). Este processo leva aproximadamente 1 mês. Quando elas concluírem esta etapa, as minhocas subirão para a nova caixa, logo acima, através dos furos, para começar o processo de compostagem nessa nova caixa. Quando esta também encher, você já pode esvaziar a caixa que está abaixo, agora não mais com as sobras, e sim com o adubo. Utilize este humus em sua horta. Esvazie a caixa, passe ela para cima, e recomece o ciclo.

Pode parecer complicado, mas é tudo questão de prática. A sua função será sempre se atentar para os alimentos que depositar na caixa, cobrir devidamente com material seco, e quando encher, substituir pela caixa de baixo. É um ciclo contínuo. Quando a de cima encher, a de baixo já terá produzido o adubo. E assim sucessivamente. Lembre-se sempre de retirar o líquido da primeira caixa, mais abaixo, pela torneira. Você pode utilizá-lo para o mesmo fim, apenas dilua-o em água pois é muito concentrado.

Você pode fazer, ou comprar, a composteira do tamanho e andares que desejar, de acordo com o espaço da sua casa e sua necessidade. Apenas preocupe-se em colocá-la em um ambiente seco, onde não pegue muito sol ou chuva.

Capa de Almofada Bordada Paisagem - Rede Asta
Capa de Almofada Bordada Paisagem – Rede Asta

Comprar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Selecione sua moeda
EUREuro
Abrir Chat
Precisa de ajuda?
Olá, como podemos te ajudar?